Número total de visualizações de página

30/03/12

Silêncio que grita - Por Karla Tabalipa



Palavra foi feita pra tocar. Ou pelo menos tentar.
Mas sempre temos a escolha de falar. Só se perde da nossa vida, quem já morreu.
Com todas as outras pessoas, as palavras podem ser ponte, podem ser o toque a distância, o abraço que aperta o coração, a peça que falta pra mudar o nosso rumo.
Só falando pra saber se toca ou não toca.
Só falando pra ouvir a resposta. Ou o silêncio.
Difícil é organizar as palavras quando elas são muitas e transbordam junto com uma imensidão de sentimentos.
Difícil é juntar palavras e coragem, quando ficar em silêncio é mais seguro e aparentemente o mais certo a se fazer.
Acontece, que eu tenho medo.
De jogar em você palavras tão cheias do que eu sinto, e elas voltarem sozinhas e doendo ainda mais.
Eu tenho tanto medo de que nossos sentimentos não sejam sinônimos.
Ora medo, ora orgulho, ora esperança, ora a quase-coragem. (que passa rápido o suficiente pra que eu não fale.)
Mas sempre vontade.
É que eu tenho tanto-tanto-tanto pra te falar, baby.
Me calo, então.

Karla Tabalipa
 
“Talvez um voltasse, talvez o outro fosse. Talvez um viajasse, talvez outro fugisse. Talvez trocassem cartas, telefonemas noturnos, dominicais, cristais e contas por sedex (...) talvez ficassem curados, ao mesmo tempo ou não. Talvez algum partisse, outro ficasse. Talvez um perdesse peso, o outro ficasse cego. Talvez não se vissem nunca mais, com olhos daqui pelo menos, talvez enlouquecessem de amor e mudassem um para a cidade do outro, ou viajassem junto para Paris (...) talvez um se matasse, o outro negativasse. Sequestrados por um OVNI, mortos por bala perdida, quem sabe. Talvez tudo, talvez nada”

 (CAIO F. ABREU)

Sem comentários:

Enviar um comentário