Número total de visualizações de página

02/12/10

A Escolha do Novo - Cláudio Azevedo

Uma Mudança de Consciência? Como uma situação pode ser vista de outra forma? 

Diversas vezes na vida nos deparamos com momentos em que, contrariados ou decepcionados, nos vemos infelizes e sofrendo. É uma forma de sofrimento psíquico em que, presos aos nossos “pré-conceitos”, nos frustramos ante a uma perspectiva diferente de nossa ótica, quando ela surge à nossa frente.
E assim, de ante mão negamos e rejeitamos tudo o que seja novo em nossas vidas, principalmente aquelas coisas que seguem na contra-mão de nossas crenças, daquilo que aprendemos e apreendemos como “verdadeiro” durante o nosso crescer físico, emocional e mental.
A coisa mais difícil em nossa vida é saber o que fazer, como agir, nesses momentos de sofrimento. Como interpretamos aquilo o que nos acontece? Basicamente, sempre teremos duas formas de interpretar, uma negativa (como é que ele, ou ela, faz isso comigo?) e uma positiva (o que essa situação quer me mostrar e o que posso aprender com ela), e a partir disso podemos fazer uma miríade de escolhas quanto à ação que iremos realizar que inclui até nada fazer. Mas, presos em nossos “pré-conceitos”, situações críticas nos fazem perder a noção de totalidade, não vemos as múltiplas formas de perceber os fatos e, presos à negatividade, nos vemos reagindo automaticamente e, na maioria da vezes, extravasando nossas negatividades.
As religiões, a filosofia, a psicologia e, mais recentemente, até a física tem se deparado com essas questões: posso realmente reagir ao que me acontece de uma forma nova (livre-arbítrio) ou estou “condenado” à mesma antiga reação (determinismo)? Uma das conseqüências das equações da relatividade de Einstein é a relatividade do tempo, que em resumo diz que presente, passado e futuro coexistem e são pré-determinados. Quando aumento a minha velocidade e me aproximo à da luz, o meu tempo pessoal passa cada vez mais lento, isso quer dizer que nessa situação tudo à minha volta vai passar mais rápido. Assim, na prática, viajo ao futuro e posso gravar em meu passado (na minha memória) coisas que ainda não aconteceram, mas que vão acontecer pois eu já as vi e já são meu passado.
Então toda mudança pessoal minha, e dos outros, já está “escrita nas estrelas”. Nessa situação nenhuma mudança é real, pois não há mudança mas apenas um desvio previsto de rota. Tal coisa não existe no mundo microscópico das subpartículas onde nada está determinado e, lógico, não pode ser previsto. Nessa situação a mente do observador tem um papel crucial no que acontece: a mente escolhe o que vai se “materializar”. Ou seja, aquela onda energética de probabilidades (o campo quântico) se torna uma subpartícula e ocupa o seu local no espaço-tempo (o colapso de onda), e todas as outras possibilidades de surgimento no espaço-tempo somem.
Trazendo para o nosso dia-a-dia, diante de uma situação qualquer sempre teremos um “campo quântico” de possibilidades de resposta, mas iremos escolher apenas uma (um colapso de onda) e todas as outras sumirão. No momento seguinte teremos então diversas outras possibilidades, inclusive de desfazer o que escolhemos, e de repente “bum”: outro colapso de onda. Em física quântica, a existência teórica de universos paralelos, que nos faz pensar em um multiverso e não em um universo, nos explica o que pode acontecer com todas as outras infinitas possibilidades de reação (ou, no mundo quântico, de colapso de onda): elas colapsam simultaneamente nessas outras dimensões.
Então seríamos seres multidimensionais, em que infinitas partes nossas vivem todas aquelas escolhas que rejeitamos. E na verdade, todas as possibilidades são escolhidas e todas ocorrem simultaneamente, em múltiplas dimensões, mas a nossa consciência ordinária percebe e vivencia apenas uma. Assim, cada reação nossa envolve uma percepção diferente e uma vivência de nossa consciência em uma dimensão diferente. Quando, conscientemente, percebemos duas opções de interpretação de uma mesma situação em nossas vidas, viajamos entre duas dimensões psíquicas, tão reais quanto as dimensões postuladas pela física moderna.
É uma viagem interdimensional real de nossa consciência entre duas dimensões físicas nossas, fato que está sendo pesquisado seriamente por renomados físicos. Nessa investigação já se conseguiu até fazer com que uma mesma molécula tivesse presença física, simultaneamente, em mais de um lugar diferente. Então, ter uma mudança de percepção seria viajar interdimensionalmente (que realidade fantástica!), viagem feita por nossa consciência. É ela quem escolhe em qual dimensão física viver: a de dor e de sofrimento ou a de felicidade e bem-aventurança. Nessa perspectiva, não é a partícula que surge, mas é a nossa consciência que viaja para uma dimensão em que ela tem existência real naquele local e momento.
Quanto mais formas de percepção formos capazes de ter (quanto maior for a nossa visita a outras dimensões psíquicas), maior o leque de opções que a nossa consciência tem para escolher. O ato de tirar nossa consciência do espaço-tempo, fazendo outras coisas e interagindo com outras histórias, é a forma mais simples de não se aprisionar àquela situação de sofrimento. Mas uma forma mais elaborada é “parar o tempo” e visitar outras dimensões, universos de possibilidades, e a partir daí, escolher onde queremos ficar. Essa viagem, essa mudança de percepção e essa escolha são feitas por aquela parte nossa que transcende o nosso corpo, as nossas emoções e os nossos pensamentos. Essa viagem é feita pela nossa consciência. Vivenciar essa possibilidade é experimentar uma ampliação de nossa consciência, que passa a abranger cada vez mais possibilidades de ser, existir e escolher.

Em época de votos de um ano novo que bom seria se conseguíssemos dar um salto de consciência e perceber o novo e o inusitado em cada momento de nossa vida, descobrir o belo no feio, o bom no ruim, o certo no errado, e até o bem no mal. Perceber que a nossa felicidade pode estar no meio de nosso sofrimento, ver a virtude surgir em meio ao pecado, ou a luz dentro de nossa sombra, afinal, parafraseando o carmelita São João da Cruz: as trevas são luz e Deus-amor está no meio dela. Que possamos descobrir a essência de Deus em todos os aspectos de nossas vidas e descobrir o novo no meio do velho. Enfim, descobrir que a escolha é uma dádiva divina nos é dada para ver Deus em toda a sua criação.
Que no ano velho que se inicia descubramos o ano novo que já passou, afinal a distinção entre passado, presente e futuro é apenas uma ilusão em nossa mente, embora persistente. FELIZ NOVO ANO VELHO...

Sem comentários:

Enviar um comentário