Número total de visualizações de página

25/11/10

AMOR E LUZ - ROSANA HERMANN


Radical assim, sim. Você gosta do que você é. Você admira quem tem as qualidades que você também acha que tem ou gostaria de ter. Você gosta do que lhe diz respeito, gosta 
das pessoas que têm seu sangue, das que você elege, das que não ameaçam você. Você e
o mundo são assim. Todos os seres humanos são assim, racionalmente. Na tv, concor-
damos com quem diz o que nós pensamos. No jornal, damos crédito a quem escreve o
que nos representa. No fundo, nós só gostamos de nós mesmos. Leio uma crítica do 
Ricardo Feltrin e adoro-a. Claro, ela reflete o que eu também penso, tenho que gostar.
Dela, a crítica, dele, o crítico. Cada ser humano se sente o centro do mundo, vê tudo sob
sua ótica e só ama a si mesmo. Até sua falta de auto-estima prova que seu interesse é só
um, ele próprio. Egoístas. Todos somos.

E aí vem o amor.
E dá uma rasteira no nosso ego imbecil.
O amor.
Que subitamente faz com que a gente ame alguma coisa, alguém, que é um não-eu. Não
é a mamãe, nem o papai, vovó, titio, filhinho. É outra pessoa.  De outra família, outro 
lugar, que tem outra história. Muitas vezes, é até de outro sexo. E  amamos esta pessoa
sem saber como ou por quê. Porque o amor não é verbo que a gente conjuga na primeira
pessoa de forma racional, amor é verbo que faz da gente objeto.
O amor acontece. E só quem aprende, entende, exercita o amor sabe que sua potência, 
sua imensidão. Quem nunca amou, pode achar que sabe mas não sabe. 
Amor é único, não parece com nada.
O que mais se parece com amor deve ser chocolate. Ou queijo. Quando a gente tem
 vontade de comer chocolate não serve mais nada. Só chocolate mesmo. Queijo é assim
também. É uma coisa em si.
No fundo, todo mundo que vive em desamor, de forma pontual ou em longas doses ao 
longo dos anos, vai ficando amargo. Depois azedo. Depois, podre.
As pessoas ruins, ácidas, infelizes, que não sentem prazer, vivem anestesiadas. São 
sempre as mais ranzinzas, as mais chatas, as que alfinetam, as que ferroam sem parar.
Não são rompantes normais da ira, é um azedume que contamina tudo, uma humidade
triste de quem vive sem luz, onde o bolor diário da inveja cresce.
É triste, isto. Gente que vive embolorada por dentro, por falta de amor e sol.
Lamento por todas elas.
Porque se elas se lançassem ao amor, mudariam num instante.

Sem comentários:

Enviar um comentário