Número total de visualizações de página

10/03/11

A CONSCIÊNCIA CRÍTICA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL - Por Tânia Caminha O’Grady Felipe


 

A CONSCIÊNCIA CRÍTICA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL



          Tenho a convicção de que a Educação Ambiental é um tema a ser entendido numa perspectiva de educação permanente, devendo iniciar quando o indivíduo nasce e perpassar todos os níveis de educação formal, não-formal e auto-educação.
            A tarefa de realizar atividades de Educação Ambiental e de promover o ensino da Ecologia ainda está bastante ligada aos professores de Ciências e de Biologia, embora esse tema possa e deva ser trabalhado por todas as disciplinas, tendo em vista o caráter interdisciplinar da Ecologia.
            Apesar de os meios de comunicação estarem a toda hora divulgando questões relativas à destruição da natureza e à sua conservação, uma das dificuldades é a ausência da disciplina Ecologia nos currículos dos cursos de formação de educadores.
            Ainda assim, acredito no trabalho sério e bonito que alguns professores já desenvolvem em suas escolas, visando a formação de uma ecologia integral.
            Ao contrário do que muitos imaginam, a Educação Ambiental não está somente voltada para a defesa da natureza (campanhas de proteção às plantas e aos animais, contra a poluição, o desmatamento, os agrotóxicos). O educador preocupado com o meio ambiente não deve simplesmente discutir alternativas para o lixo (reciclagem, aterros, incineração), mas também o modelo de sociedade consumista e imediatista, que tem como ideologia o desperdício, o exagero e o mau uso do planeta como gerador inesgotável de recursos e recebedor de dejetos.
            Penso ser de fundamental importância que o aluno conheça criticamente o ambiente natural e social que o cerca, compreendendo a multiplicidade e interdependência de relações que se estabelecem entre ambos, sentindo-se parte integrante desses ambientes, entendendo sua dependência, principalmente do ambiente natural (ar, água, alimentos...). Assim, mais prematura será a sua ação responsável e comprometida a esse respeito.
            Para mim, a consciência ecológica forma-se num processo dialético que envolve a reflexão e a ação. A reflexão a respeito da amplitude e gravidade dos problemas ambientais que o homem está criando e a ação na busca de soluções viáveis para esses problemas.
            Acredito que a construção da sociedade mais justa, fraterna e responsável passa pela formação de alunos com tais atributos: possuidores de uma consciência ecológica crítica, questionadora e criativa na busca de soluções. Para isso, precisamos ter a visão da Educação Ambiental com toda a abrangência do seu caráter holístico. 

ESTOU ENGAJADA NA CAMPANHA: FRATERNIDADE E A VIDA NO PLANETA! FICA O CONVITE. VAMOS JUNTOS CUIDAR!
"...E o que era para ser garantia da vida está se tornando ameaça. A beleza está sendo mudada em devastação. E a morte mostra a sua presença no nosso planeta. Que nesta quaresma nos convertamos. Por meio da nossa mudança de mentalidade e de atitudes..." A M É M!!!

Sem comentários:

Enviar um comentário