Número total de visualizações de página

03/10/12

A Mulher Independente - Martha Medeiros


Fico imaginando que essa tal "mulher independente", aos olhos dos outros, pareça ser uma pessoa que nunca precise de ninguém, que nunca peça apoio, que jamais chore, que não tenha dúvidas, que não valorize um cafuné.
Enfim, um bloco de cimento.
Independência nada mais é do que ter poder de escolha.
Conceder-se a liberdade de ir e vir, atendendo suas necessidades e vontades próprias, mas sem dispensar a magia de se viver um grande amor.
Independência não é sinônimo de solidão.
É sinônimo de honestidade: estou onde quero, com quem quero, porque quero.
Sobre a questão da independência afugentar os homens...
Se isso for verdade, então ficarão longe de nós os competitivos, os que sonham com mulheres submissas, os que não são muito seguros de si.
Que ótima Triagem...
No aqui e agora ainda há quem acredite que ser um bibelô (ou fazer-se de) tem lá suas vantagens.
Eu não vejo quais.
Acredito que a independência feminina é estimulante, alegre, desafiadora, vital, enfim, uma qualidade que promove movimentação e avanço à sociedade como um todo e aos familiares e amigos em particular.
"Eu preciso de você" talvez seja uma frase que os homens estejam escutando pouco de nós, e isso talvez lhes esteja fazendo falta.
Por outro lado, nunca o "eu amo você" foi pronunciado com tanta verdade.
Do livro "Feliz por Nada."

Sem comentários:

Enviar um comentário