Número total de visualizações de página

12/09/11

Viver é uma sabedoria - Por Teuler Reis

Viver é uma sabedoria.
Viver é uma sabedoria regada a reflexões. Às vezes me assusta a dureza das pessoas para se entregarem à reflexão. Passam suas vidas manipuladas por maneiras prontas e acabadas de resolver problemas, de perceber a vida e, muitas dessas maneiras, completamente obsoletas.
“A vida sem reflexão não merece ser vivida”, já nos dizia Sócrates. Não há apenas uma maneira de ver o mundo. Agarrar-se a uma única leitura é se condenar à pequenez da alma. Há um caleidoscópio à disposição dos nossos olhos para ver o mundo.
Quantos sofrem diante da limitada capacidade de encontrar outro caminho, de investigar possíveis passagens e explorar novos horizontes? Viver é comungar de uma escolha, penetrar num olhar e apaixonar-se pela jornada escolhida. Enquanto tantos preferem escolhas prontas, caminhos marcados, sentidos finalizados por antepassados, há quem ouse fazer da reflexão uma investigação capaz de romper barreiras, de reconstruir estradas, redefinir valores e rever posturas sacramentadas pelo tempo.
É preciso acordar o sujeito adormecido em nós, dar voz a sua capacidade de crítica, devolver ao indivíduo seu direito de julgamento.
Muitas vezes o sofrimento, a dor, provêem da cegueira instituída, emana do cômodo, ou decorre da ignorância traduzida pelo desconhecimento de levantar nossas possibilidades. Imprescindível reverter a desordem; lançar luz sofre o sofrimento, o enquadramento, que engessa e imobiliza milhares de pessoas na dor.
Um bom exemplo é o ódio. Não odiamos o outro, odiamos a representação que fazemos do outro. Odiamos nossa presunção, a arrogância em definir de antemão o outro. Não é o outro que me fere, é a ideia que construí do outro em mim. E assim, ignorantes do jogo, imbuídos da limitada condição humana posta ao nosso alcance, alimentamos o ódio, o desprezo, e tantos outros sentimentos que, na verdade, atingem unicamente o próprio sujeito.
Somente a reflexão, a volta que o pensamento faz sobre si mesmo, é capaz de romper com essa perversa relação criada no seio do relacionamento humano.

Sem comentários:

Enviar um comentário