Número total de visualizações de página

05/04/11

SINTO SAUDADES - Antonio Carlos Affonso dos Santos


Sinto saudades de tudo que marcou a minha vida.
Quando vejo retratos, quando sinto cheiros, quando escuto uma voz, quando me lembro do passado...
Eu sinto saudades...
Sinto saudades de amigos que nunca mais vi, de pessoas com quem não mais falei ou cruzei...
Sinto saudades da minha infância, do meu primeiro amor, do segundo, do terceiro, do penúltimo e daqueles que ainda vou ter se Deus quiser...
Sinto saudades do presente, que não aproveitei de todo, lembrando do passado e apostando no futuro...
Sinto saudades do futuro, que se idealizado, provavelmente não será do jeito que eu penso que vai ser
Sinto saudades de quem me deixou e de quem eu deixei!
De quem disse que viria e nem apareceu...
De quem apareceu correndo, sem me conhecer direito...
De quem nunca vou ter a oportunidade de conhecer.
Sinto saudades dos que se foram e de quem não me despedi direito!
Daqueles que não teve como me dizer adeus...
De gente que passou na calçada contrária da minha vida e que só enxerguei de vislumbre!
Sinto saudades de coisas que tive e de outras que não tive, mas quis muito ter!
Sinto saudades de coisas que nem sei se existiram.
Sinto saudades de coisas sérias, de coisas hilariantes, de casos, de experiências...
Sinto saudades dos livros que li e que me fizeram viajar!
Sinto saudades dos discos que ouvi e que me fizeram sonhar.
Sinto saudades das coisas que vivi e das que deixei passar...
Sem curtir na totalidade
Quantas vezes têm vontade de encontrar não sei o que... Não sei onde... Para resgatar alguma coisa que não sei o que é e nem sei onde perdi...
Aliás, dizem que se costuma usar sempre a língua pátria, espontaneamente
Quando estamos desesperados... Para contar dinheiro... Fazer amor...
Declarar sentimentos fortes...
Seja lá em que lugar do mundo.
Eu acredito que um simples "I miss you" ou seja lá como possamos traduzir
SAUDADE em outra língua, nunca terá a mesma força e significado da nossa palavrinha.
Talvez não exprima corretamente a imensa falta que sentimos de coisas ou pessoas queridas
E é por isso que eu tenho mais saudades...
Porque encontrei uma palavra para usar todas as vezes que sinto este aperto no peito, meio nostálgico, meio gostoso, mas que funciona melhor do que um sinal vital quando se quer falar de vida e de sentimentos.
Ela é a prova inequívoca de que somos sensíveis!
De que amamos muito que tivemos...
E lamentamos as coisas boas que perdemos ao longo da nossa existência...


***ATENÇÃO!!! É BOM SABER!!!
SOLICITAÇÃO DO AUTOR DEIXADA NOS COMENTÁRIOS: 
Gostaria que você procurasse o texto real, do qual sou autor: www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=1678
O texto que você publicou tem trechos que não são de minha autoria; foram enxertados (não sei a razão=> isso já faz tempo....). Boa sorte!
PS: agradeço os comentários elogiosos...


CONFIRAM...
 Fragmentos da crônica “Saudades”, de Antônio Carlos Affonso


Ter saudades não é só dizer "nostalgia", para traduzir saudade em outra língua. Saudade, conforme diz a canção, "é uma tristeza que não sabemos de onde vem".

Eu tenho saudades de tudo que marcou a minha vida. Nas lembranças dos “causos” que meus pais e avós, sertanejos, me contavam.

Quando vejo seus retratos, quando sinto cheiros, quando ouço uma voz, que me lembra alguém a quem não esqueci; quando me lembro das pessoas que convivi no passado.

Sinto saudades dos amigos que nunca mais vi, de pessoas com quem não mais falei ou cruzei...

Sinto saudades de minha infância, do meu primeiro amor, da primeira professora, dos meus amigos de infância, do primeiro beijo...

Sinto saudades até do presente, que não consigo aproveitar direito, devido ao redemoinho que se transforma nossa vida moderna. Tenho saudades do passado, próximo e distante, como de quando conheci minha esposa e namoramos e noivamos por longos dezoito meses, também sinto saudades do futuro, que não sei se vou conhecer, mesmo assim estou saudoso.

Este futuro no qual apostei toda minha vida e idealizei, me preparei, estudei, passei privações de vários tipos, mesmo assim sinto saudades, até porque eu não o conheço: nem ele a mim. É possível que o futuro seja diferente de tudo que sonhei, mesmo assim, dele sinto saudade.

Tenho saudades de quem um dia disse que viria e não veio. Sinto saudades de quem apareceu na minha vida como um furacão ou um cometa, sinto saudades.

Sinto saudades dos que se foram e de quem não me despedi direito nem torto, como meus irmãos queridos que não tiveram como me dizer adeus...

Tenho saudades de gente que passou na calçada contrária da minha vida, pessoas que só enxerguei de vislumbre.

Tenho saudades de coisas que eu tive e de coisas que nem sei se existiram na minha vida.

Mas que se soubesse, decerto gostaria de experimentar. Tenho saudades das gentes que, por eu ter cruzado a rua, deixei de conhecer.

Sinto saudades do cachorrinho, o Viajante, que tive um dia, quando criança e que me amava fielmente, como só os cães de crianças são capazes.

Dos livros que li e que me fizeram viajar, dos discos que ouvi e que me fizeram sonhar, das coisas que vivi e das que deixei passar, sem curtir na totalidade, para resgatar alguma coisa que nem sei o que é e nem onde perdi, mas mesmo assim, sinto saudades.

Vejo o mundo girando e penso que poderia estar sentindo saudades em Taboão da Serra, em Cravinhos, na cidade do Cabo, em Londres ou Xangai, ou em qualquer outro lugar do planeta.

E meu sentimento poderia se expressar em qualquer língua, mas que minha saudade, por eu ser brasileiro, só fala português, embora, lá no fundo, sei que ela fala todos os idiomas, mesmo que não saibam escrevê-la.

Creio que todos os povos sintam saudades, apenas eles não sabem demonstrá-la por palavras.

E é por isso que eu tenho ainda mais saudades...

Porque encontrei uma palavra para usar todas as vezes em que sinto este aperto no peito.

Irreverente, gostoso, triste, amargo, visceral,

mas que funciona melhor do que um sinal vital quando se quer falar de vida e de sentimentos.

Saudade é a prova inequívoca de que somos sensíveis.

De que amamos as coisas boas que perdemos ao longo da nossa existência...


8 comentários:

  1. Conseguiste escrever tudo o que sinto, de uma maneira tão emocionante.Amei.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ESSE AUTOR REALMENTE CONSEGUIU NOS SURPREENDER ESCREVENDO ALGO TÃO MARAVILHOSO... NOS VISITE MAIS VEZES!

      Eliminar
  2. Adorei muito lindo
    Que Deus te de um 2012 com muita saúde e muita paz, não esqueço de você bjs Célia da tata

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E veio o Ano Novo. "E com ele tb os velhos e novos amigos. Que o amor encontre o seu lugar na nossa vida e que saibamos reconhecê-lo, preservá-lo ou deixá-lo morrer, quando for preciso. Que o ano nos traga coragem para fazer coisas novas, coragem também para lidar com as coisas antigas que deixamos de lado. Que neste ano a gente se encontre – uns aos outros e a nós mesmos – de um jeito que produza mudança e transformação. Sem auto-indulgência, sem auto-piedade, sem mi-mi-mi. Que 2012 venha para alegrar a criança que fomos e nos ajudar a ser os adultos que merecemos ser." Volte sempre por aqui!!!

      Eliminar
  3. Antônio Carlos Affonso dos Santos

    OLÁ!
    Há mais de 1 ano você esteve no blog Maruggi visitando a postagem Dicionário caipira: http://blogmaruggi.blogspot.com - onde postei parte do seu Dicionário Caipirês, e lá deixou um comentário, mas não deixou nenhum contato.Então vim até aqui para deixar meu comentário. Foi um prazer recebê-lo por lá.

    Faço parte de uma ONG Cultural de SP (www.ical.org.br) e nenhuma das nossas publicações está vinculada com ganho financeiro. Tudo tem função estimulativa para leitura e escrita. Realmente homenageamos seu trabalho, que é ótimo, e dele muitos textos se derivaram em nossas oficinas de criação que oferecemos gratuitamente para a terceira idade. Muito obrigada por colaborar com a manutenção de nossos costumes e valores.
    Visite o blog da oficina: www.icaltextos.blogspot.com

    Um grande abraço
    Ana Maria
    (contato@ical.org.br)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. OI ANA MARIA, Q BOM RECEBER A SUA VISITA NO BLOG E VER SEU COMENTÁRIO... TB NÃO TENHO O CONTATO DELE, MAS QM SABE ELE CHEGA ATÉ AQUI E ENTRA EM CONTATO COM VC? TÔ TORCENDO... VOLTE SEMPRE! ABRAÇÃO, TÂNIA

      Eliminar
  4. Gostaria que você procurasse o texto real, do qual sou autor: www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=1678
    O texto que você publicou tem trechos que não são de minha autoria; foram enxertados (não sei a razão=> isso já faz tempo....).
    De posse do texto verdadeiro, apague este e cole o verdadeiro. Boa sorte!
    PS: agradeço os comentários elogiosos, porém aguardo confirmação deles com o texto completo e verdadeiro.
    Gostaria que não publicasse apenas parte do texto, mas o todo.

    ResponderEliminar
  5. OLÁ ANTONIO CARLOS, PUBLICAREI SIM... ACRESCENTAREI O TEXTO "REAL", OK? OBRIGADA POR SEU APOIO!

    ResponderEliminar